A gente é muito hardcore.

Arquivo para a categoria ‘chá tô’

E não vai ter Happy Ending…

E então acabou, dessa vez foi definitivo, ela não esperou nem ao menos ele terminar de falar, foi direta ao ponto, apenas deu as costas e foi embora. Dessa vez, talvez pela 1° vez em todos os anos que passaram juntos não olhou para trás, pelo menos não naquele momento.

Mas ainda assim doeu, doeu muito, ela sentiu o coração ser dilacerado quando fechou a porta do quarto, perdeu o ar e deixou finalmente as lágrimas rolarem por toda a madrugada. E mesmo sentindo-se fraca ignorou as ligações e sms. Tentou parecer forte e dar o mínimo de importância pelo menos aparentemente para tudo o que estava acontecendo.

E ele se foi, talvez tenha cansado de insistir, foi viver uma nova vida, seguir adiante, foi tentar ser feliz. Para ela também não foi diferente, o tempo sempre dá um jeitinho de amenizar as dores, as marcas continuam, mas as feridas se fecham.

E no fim de tudo só ficaram as fotografias estocadas no fundo de caixas repletas de memórias, com algum resquício de vida e uma história equivocada.

Ela ainda lembra com ternura, das viagens sem destino, das sessões de cinema das quais ele dormia nos primeiros 30 minutos de filme, das noites em que ambos ficavam embriagados, das lasanhas congeladas de final de semana, das brigas eternas que duravam 30 minutos, dos finais definitivos que duravam 1 dia.

Mas como todos os ciclos da vida, tudo tem começo meio e fim, e o clichê é real o para sempre, sempre acaba. E não venha me dizer que não deu certo, porque deu sim pelo menos enquanto foi bom a sadio para ambos foi bom, e o fim aconteceu na hora certa, antes que alguém saísse ferido demais, magoado demais, triste demais…

Imagem

Anúncios

Amor é igual orgasmo, cada um sente de um jeito…

cor
Certa vez ouvi alguém dizer que só é possível amar verdadeiramente uma pessoa na vida, na hora não dei muita atenção para o argumento, apesar de ter achado meio exagerado, mas depois, mas precisamente quando fui dormir comecei a questionar levando em consideração minhas próprias experiências… e quer saber, acho de verdade que é possível amar 1 milhão de pessoas diferentes durante a vida (nesse quesito não entra amor fraternal, se é que me entendem), talvez não do mesmo jeito, nem pelos mesmos motivos e muito menos com a mesma intensidade, até porque se tratam de pessoas diferentes, e até hoje não li nenhum texto e nunca ouvi ninguém definir o que é o amor exatamente, como dizem por ai, o amor é um sentimento sublime que não tem explicação rs*. Que seja…

Eu acredito que nada na vida é eterno, se nem mesmo nos humanos, duramos para sempre, porque o amor tem que durar? E porque a gente só pode sentir isso por uma pessoa?…  Imagina se a pessoa que você amou não correspondeu o sentimento, não é justo não amar mais ninguém na vida…

Voltando ao ponto inicial, não estou aqui querendo levantar a bandeira da poligamia ou do conheci ontem e hoje já estou amando enlouquecidamente, isso é maluquice e carência rs*… Na minha concepção o amor vem com o tempo, com a convivência, com o querer estar sempre junto, com o querer bem, independente da briga de ontem, com o beijo que faz o tempo parar, com o sexo com sentimento, com o abraço que acalma todas as angustias, com a parceria, com a cumplicidade, com a amizade e com mais um milhão de coisas que a gente só é capaz de perceber quando está vivenciando esse momento… Isso não significa que vai ser igual pra todo mundo, cada um sente de um jeito, cada um ama de um jeito. Também não é uma necessidade amar vários, se você deu sorte ou azar e achou o seu tal amor verdadeiro na primeira pessoa com quem ficou, então que seja “eterno”… Mas se o relacionamento acabou não significa que não houve amor ou que não deu certo, na verdade deu certo enquanto estiveram juntos, enquanto foi bom. Se terminou, com certeza, pode demorar ou não, você vai amar outra pessoa…

E assim funciona o ciclo na vida, tudo é válido como experiência e aprendizado, e no final o que resta são as lembranças, algumas boas outras nem tanto rs*.  O importante é amar ontem, hoje, amanhã e ser feliz…

You smile, I smile…

Em muitos momentos da vida o que mais importa no mundo é a nossa felicidade, são os nossos objetivos, os nossos sonhos e os nossos desejos. Pensando bem, não está errado pensar dessa forma por mais que soe egoísta, afinal de contas quem é mais importante no mundo para nós a não ser nós mesmo…

Eu pensava exatamente assim e isso nem faz muito tempo, até que uma pessoinha entrou na minha vida, aconteceu assim sem esperar, sem planejar. no início confesso que foi bem traumático eu diria extremamente assustador, e por mais que eu quisesse pensar diferente a ideia de ser mãe não entrava na minha cabeça de forma nenhuma, eu achava que não combinava comigo que não tinha nada a ver com meu estilo de vida. E fui pensando desse jeito durante todo o período de gestação, odiava o fato de estar grávida, muitas pessoas acham esse momento maravilhoso, eu achava um saco, contava os dias para sair logo dessa fase ao mesmo tempo que tremia só de pensar no depois.

Até que ele nasceu, não vou dizer que esse foi o dia mais feliz da minha vida, porque não foi, pra quem não sabe ter filho de parto normal dói bastante e não quero repetir isso nunca mais, mas sem dúvida foi o dia mais importante, ele marca uma transição onde a partir daquele momento a pessoa mais importante no mundo pra mim não era mais EU, era ele, o Arthur…

Eu poderia escrever aquele bla bla bla do mundo ideal que ser mãe é maravilhoso e tal… Bem na verdade é bem cansativo, para começar nunca mais tive uma noite inteira de sono, minhas olheiras estão gritando e meu corpo pedindo arrego a 2 meses, e tem uma coisa que ninguém conta e eu senti na pele, nos primeiros dias amamentar é uma tortura, o seio fica todo machucado e empedrado sofrimento total, mas a boa noticia é que depois de 1° més começa a melhorar.

Apesar das dores e do cansaço, todos os dias quando olho para aqueles olhinhos brilhantes, aquele rosto bochechudo, e aquele sorriso desdentado eu entendo o que é o tal amor incondicional que muita gente fala por ai, não existe sentimento mais puro e terno quanto esse, e por mais desafiador que seja essa tarefa de ser mãe, vale a pena viver esse momento.

O futuro ainda é assustador, é um aprendizado e um desafio diário, afinal de contas aquele serzinho depende única e exclusivamente de mim, sou responsável pela sua boa saúde e formação do seu caráter, e a cada dia ele cresce mais um pouquinho, eu não sei como vai ser amanhã, mas uma coisa é certa, farei tudo que estiver ao meu alcance para que ele seja a pessoa mais feliz desse mundo :-D…

Imagem

E ai foi bom para você?

Bem, falar de sexo deixou de ser um assunto polêmico faz tempo, pensando bem, será que deixou mesmo?

Muita gente tem mania de fingir que sexo não existe, como se fosse uma coisa feia, algo proibido, obscuro, errado. Ah e se você for mulher e solteira, pior ainda, até porque “moças de família” não fazem sexo sem compromisso, isso é coisa de mulher da rua. Quanta hipocrisia, quer dizer então que mulheres solteiras não podem ter desejos e vontades a não ser que assumam um compromisso de momentâneo amor eterno com alguém.

Sou totalmente avessa a essa opinião machista que a sociedade impõe, não estou querendo dizer que está liberado e que é isso ai tem que sair transando com todo mundo, até porque sou contra esse tipo de comportamento, pessoas tanto homem quanto mulher precisam se valorizar, sair por ai distribuindo beijos e promessas de futuros contatos que nunca acontecem é coisa de gente carente, mas não vejo nenhum problema em ter relações com alguém que você achou interessante mesmo que isso não se transforme em um compromisso futuro, se o clima do momento estiver legal e for favorável para ambas as partes porque não?

Sexo é uma das melhores coisas da vida, é uma troca de fluídos e sensações, é um momento onde você pode se entregar por inteiro, e ele pode vir junto com o amor ou não, um não precisa do outro necessariamente. Então para que envolver tanta polêmica em cima disso? Não precisamos tratar do assunto como se fosse algo anormal, até porque o mundo inteiro faz independente da cultura, credo ou classe social.

Então é isso, liberem suas “emoções” sem medo de ser feliz, a opinião dos outros é só a opinião dos outros.

Não é machismo nem feminismo, apenas bom senso.

Antes de tudo quero deixar muito claro que não quero levantar a bandeira de igualdade entre os sexos. Homens e mulheres são diferentes sim, e eu acho isso ótimo, imagina só se fossemos todos iguais o tédio que seria…

Mas não concordo com a forma com que muitas pessoas lidam com o assunto, acho de uma tremenda falta de bom senso a questão eu posso porque sou homem, isso me soa tão retrógado, tão século passado.

É obvio que as mulheres têm certa fragilidade em relação aos homens, nosso tipo físico nos impede de fazer alguns tipos de atividades, mas isso não quer dizer que somos incapazes ou inferiores aos homens, pelo contrário, somos ótimas em coisas que os homens são péssimos, e isso nada tem haver com serviços domésticos ou cozinhar.

Acho péssimo esse estereótipo de que a mulher foi feita para cuidar do lar e o homem para bancar a casa, independente do sexo nos temos livre arbítrio, temos todo o direito de sermos o que tivermos vontade, independente do que a sociedade estipula. Claro que sempre respeitando os nossos próprios limites.

A sociedade em si é preconceituosa, mas eu particularmente odeio essa coisa de que se a mulher fica com mais de um homem na noite é “piranha” em contrapartida se o homem pegar várias em uma noite é normal. Não é questão de ser a favor ou contra, cada um faz o que quer e o que for conveniente para si, apesar de achar que ambos têm de se valorizar, e que esse negocio de sair ficando com todo mundo em boate é coisa de gente carente e uma tremenda perda de tempo.

Pois bem, se o cara gosta de cozinhar ou dançar balé, pronto é gay, se a mulher não é muito feminina e prefere assistir luta ou futebol ao invés de ir ao shopping fazer compras, opa! essa é lésbica… Que grande bobagem, as pessoas tem mania de perder muito tempo se preocupando com as escolhas e com a vida dos outros, e muitas vezes esquecem da sua própria vida. Antes de dizer que a grama do vizinho é horrível olha para a sua própria grama, provavelmente ela deve estar cheia de buracos e defeitos.

Só porque o indivíduo não segue os padrões impostos pela sociedade não quer dizer que ele seja inferior, pelo contrario ele é digno de admiração, pelo simples fato de não se importar e não se guiar pela maioria, admiro pessoas que fogem a opinião comum e seguem a sua própria filosofia, alguém assim precisa no mínimo ter coragem

Não precisa levar a vida tão a sério…

Não entendo essa mania que todos têm de dificultar tudo, parece que o ser humano gosta de ter problema, na verdade de inventar problema, nunca está satisfeito com nada, sempre reclamando de tudo, se pegando a detalhes inúteis. O pior disso tudo é que no fim das coisas ele esquece do mais importante, de viver e acaba deixando passar despercebida a simplicidade que é a vida, esquece de curtir o momento, de ser feliz.

As pessoas estão em sua maioria tão preocupadas com as confusões do dia a dia, com o que os outros pensam a seu respeito que de vez em quando nem percebem o quanto aquele dia está bonito, e o quanto é bom sentir a vida pulsando em sua veia.

Não sou adepta da felicidade suprema, na verdade nem acredito que isso exista, também tenho os meus momentos de “to com ódio do mundo”, mas acredito na simplicidade das coisas, da vida. Certa vez eu li um livro “O pequeno príncipe” e nele dizia algo sobre como os adultos são incapazes de entender as coisas, porque são meio burros, e as crianças, estas são felizes porque não vêem maldade em nada, o mínimo já é uma grande felicidade, já é o suficiente. Depois que li esse livro abri a cabeça para muitas coisas, nem sempre as coisas podem ser como desejemos, mas e daí, se não for desse jeito com certeza vai ser de outro, sempre há uma saída, as portas só se fecham quando a vida acaba.

Gosto muito mais das crianças do que dos adultos, gosto de ver a ingenuidade, a naturalidade, a espontaneidade que elas transparecem, Adultos são tão cruéis e egoístas, fazem de tudo para se dar bem, muitos esquecem até mesmo seus valores, passam por cima uns dos outros para conseguirem o que querem, eu acho isso tudo uma grande burrice. Infelizmente eu também cresci e virei adulta, tudo bem que lutei contra isso durante muitos anos, até perceber que minha mente deveria evoluir junto com a forma física, e aconteceu.

De qualquer forma acho que as pessoas deveriam se preocupar menos e viver mais, fazer coisas que lhe tragam prazer, satisfação pessoal, olhar para o céu de vez em quando para ver o pôr do sol, que sejam mais espontâneas, que falem alguma besteira de vez em quando, que sejam livres e façam aquilo que realmente tem vontade de fazer, que extravasem, gritem, bebam o que tiver vontade, dance até não agüentar mais, e tenham de vez em quando aquela crise de risos que faz a barriga doer.

Talvez se as pessoas fossem um pouquinho crianças de vez em quando, seria mais fácil levar a vida de forma natural e com menos problemas de coração e estress…

Mas se você é daqueles que não consegue viver sem um estressezinho que seja, toma um CHÁ de camomila que talvez resolva…

Até a próxima.

 

Dilma ou Serra? sei lá, tanto faz…

Não gosto muito de falar sobre política, simplesmente porque acho um saco, e para ser bem sincera, pouco me importa o que está ou não acontecendo em Brasília, seja lá o que estiver ocorrendo não muda muita coisa na minha vida, 1° porque não sou funcionária pública, 2° porque não estou na linha da pobreza que depende do tal bolsa família que na verdade deveria ser chamada bolsa vagabundo. Na boa não consigo entender qual é a essência disso, ok tem muita gente que realmente precisa, mas boa parte dessas pessoas se aproveitam dessas tais bolsas para ficar na aba do governo e não trabalhar, fizeram até uma bolsa presidiário, ou seja o filho da puta rouba, mata, estupra vai preso e ainda ganha uma ajudinha extra do governo, um benefício.

Agora as pessoas honestas que trabalham, estudam e se fodem, ganha o que do governo? Ah sim, apenas alguns impostos para pagar… legal né.

Voltando ao assunto inicial do post, estou achando uma tremenda palhaçada essas eleições, para começar os candidatos são hiper fracos, no primeiro turno votei na Marina, nos debates ela tinha os melhores argumentos e sua proposta era melhor, pois priorizava a educação, mas infelizmente ela não ganhou, sabe como é né brasileiro é burro e quer continuar burro (sem ofensas ae, sou brasileira também rs*).

Nesse segundo turno vou votar nulo, não gosto nem da Dilma e nem do Serra. A Dilma parece um fantoche do PT, as propagandas políticas são todas com o Lula falando, ou seja ela só vai ganhar por causa dele. Em contrapartida, as propagandas políticas do Serra são todas voltadas para atacar a Dilma, grande merda né, junta os dois candidatos não dá um rs*…

Mas enfim, seja como for política é algo que realmente está fora do meu cotidiano, se eu ainda fosse daquela época dos caras pintadas que os jovens eram patriotas talvez eu me interessasse por alguma coisa, mas hoje em dia assim como eu a maioria dos jovens não se importam com nada disso, estamos mais preocupados em qual vai ser a boa do final de semana do que com quem vai governar nosso país por 4 anos.

Pode até parecer meio estranho eu que não gosto de política destinar meu primeiro post no blog sobre esse assunto, mas sabe como é né, tinha que falar sobre alguma coisa, e esse é um dos assuntos do momento.

Bem, se você é daqueles que fica revoltado com a robalheria e corrupção que rola na política, relaxa e chá pra lá…

Até a próxima…

%d blogueiros gostam disto: