A gente é muito hardcore.

Ela abriu os olhos e demorou alguns segundos para se dar conta de onde estava, levantou-se da cama e se esforçou ao máximo para não fazer muito barulho, ficou observando ele dormir por alguns segundos, depois correu os olhos pelo quarto e lá estavam os copos com restos de alguma bebida e as guimbas de cigarro, apenas vestígios da noite passada. Cogitou a possibilidade de ficar mais um pouco, mas precisava ir, sem despedidas é melhor.

Não foi uma dessas transas casuais onde as pessoas se conhecem, transam e fim. Também não foi um desses relacionamentos duradouros, nem chegaram a namorar, nada avassalador que fizesse com que os pés saíssem do chão, mas ao menos renderam algumas borboletas no estômago, um encantamento repentino que surge com a mesma rapidez e intensidade com que vai se esvaindo no decorrer dos dias.

Um mundo novo ao qual ela apenas deu uma espiadela pela fresta de porta, achou interessante, mas descartou a possibilidade de entrar porta a dentro, preferiu continuar no seu cantinho. É mais fácil administrar as sensações antes de perder o controle delas, escolheu não ir longe demais, não se permitir. Não por medo ou covardia, apenas achou mais vantajoso sair de fininho antes que a magia acabasse e ele acordasse.

Despedida3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: