A gente é muito hardcore.

interrogacao

Sou assim, inconstante, hoje eu quero, amanhã não, depois de amanhã talvez. Difícil conseguir lidar comigo, às vezes nem eu mesma consigo. Não dá para acompanhar direito essa montanha russa de vontades ,sentimentos e conflitos.

Poderia transferir a culpa para você e dizer que o fato da gente não ter dado certo foi algo que você fez ou deixou de fazer, só que não, é covardia agir dessa forma quando eu tenho certeza que a culpa foi toda minha.

Talvez tenha faltado um pouco mais de vontade, mas como vou provar que quero muito alguma coisa, se nem mesmo eu sei o que eu quero, bizarro. Meu cérebro é condicionado a executar tarefas por partes, dessa forma, a primeira etapa é decidir.  Sabe aquela música do Djavan “Você disse que não sabe se não, mas também não tem certeza que sim…”, tenho certeza que ele fez para alguém muito problemático, tipo eu…

Acho que talvez a grande questão seja saber priorizar, borboletas no estômago ou ter algo sólido e seguro. Acho que a sociedade atual tem se alimentado de relações descartáveis que se intitula e sobrevive de postagens no facebook e fotos felizes no instagram, de emoções não duráveis, daquele tipo que na primeira dificuldade que surge, desavença, questionamento ou conflito de opiniões simplesmente pula fora do barco, mesmo que precise nadar contra a corrente ou pegar carona no barco de outra pessoa momentaneamente. Acho que talvez eu tenha adquirido essa cultura e provavelmente você também.

Vou abrir o jogo com você, sou do tipo que mostra firmeza e segurança, mas que na verdade é extremamente frágil, do tipo que não liga no dia seguinte e não pergunta como foi o seu dia, mas espera veemente que você faça o oposto, do tipo que fica analisando cada detalhe e não esquece absolutamente nada do que você diz ou faz mesmo mostrando um total desligamento e distração da realidade, do tipo que nunca diz eu te amo simplesmente porque acha uma bobagem dizer e acha um absurdo afirmar algo que realmente não sabe se sente de verdade, do tipo que não gosta de rótulos sociais que não se importa com o fato de dizer que está em um relacionamento ou não quando os únicos interessados são as duas pessoas envolvidas e o resto não tem nada a ver com isso, do tipo que não faz muita questão de declarações de amor eterno, nem que você viva em função de mim e menos ainda que me ame para sempre, mas deseja com todas as forças que mesmo que a gente nunca mais se encontre seja alguém que tenha feito alguma diferença, que não tenha sido mais uma, e que você lembre com saudade ou com ternura dessa louca que bagunçou a sua vida.

Não preciso chegar falando que a sociedade é hipócrita e preconceituosa, todo mundo já sabe, apesar de fingir que não vê.

Preconceito, a palavra já é autoexplicativa, no dicionário traduz-se por: Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial. Ou seja, é a opinião de alguém baseada em nada, a pessoa apenas acha que tem razão porque não concorda com a situação em questão.

Dada à introdução, vamos aos fatos. Sou mãe solteira, tenho 24 anos, formação superior, profissão e sou financeiramente independente.  Diga-se de passagem, e sem falsa modéstia, estou muito melhor que muita gente com a mesma idade que eu e sem filhos.

E se tem uma coisa que não entendo é o porquê de tantos julgamentos e dedos apontados, não que a opinião alheia tenha alguma influencia sob as minhas decisões, só acho que as pessoas deveriam olhar para o próprio umbigo antes de tentar olhar para o do amiguinho. Quando digo que tenho filho e sou solteira é mais que visível aquele olhar de nossa que garota irresponsável, burra, o cara nem deve ter assumido, tadinha.

Bem, de fato não sou a maioria, meu caso pode ter sido um pouco diferente, não casei porque EU não quis, sou solteira por opção, foi uma decisão única e exclusivamente minha, meu filho tem um ótimo pai, diga-se de passagem, e não tenho a menor intenção de colocar outra pessoa para ocupar esse cargo.

Isso levanta outra questão, que mania besta alguns homens tem de achar que a mulher solteira com filho está sempre à procura de um papai, até parece, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Se relacionar com alguém nem sempre significa vislumbre de futuro, e até chegar ao ponto de um rolinho virar algo mais sério muita coisa é avaliada. Quem sai com qualquer indivíduo com a intenção de já engatar namoro é mulher carente, para essas o mínimo já basta.

As pessoas precisam entender que o modelo social está mudando, é cada vez mais comum observar pais solteiros por ai.  É muito melhor viver uma relação separada sadia á viver uma relação junto, mas destrutiva. Levando em conta as exceções, nem toda mulher vive em função de relacionamento, e nem passa o tempo inteiro pensando e procurando O cara, e convenhamos tem coisas mais relevantes na vida, ter um relacionamento ou não é consequência, viver em função disso é maluquice. Às vezes é melhor ter um rolinho pra passar tempo a ter um namoro ou qualquer coisa do gênero que só serve para gerar estresse desnecessário.

E oh mãe solteira procura ser realizada e feliz, apenas…

Image

Ela abriu os olhos e demorou alguns segundos para se dar conta de onde estava, levantou-se da cama e se esforçou ao máximo para não fazer muito barulho, ficou observando ele dormir por alguns segundos, depois correu os olhos pelo quarto e lá estavam os copos com restos de alguma bebida e as guimbas de cigarro, apenas vestígios da noite passada. Cogitou a possibilidade de ficar mais um pouco, mas precisava ir, sem despedidas é melhor.

Não foi uma dessas transas casuais onde as pessoas se conhecem, transam e fim. Também não foi um desses relacionamentos duradouros, nem chegaram a namorar, nada avassalador que fizesse com que os pés saíssem do chão, mas ao menos renderam algumas borboletas no estômago, um encantamento repentino que surge com a mesma rapidez e intensidade com que vai se esvaindo no decorrer dos dias.

Um mundo novo ao qual ela apenas deu uma espiadela pela fresta de porta, achou interessante, mas descartou a possibilidade de entrar porta a dentro, preferiu continuar no seu cantinho. É mais fácil administrar as sensações antes de perder o controle delas, escolheu não ir longe demais, não se permitir. Não por medo ou covardia, apenas achou mais vantajoso sair de fininho antes que a magia acabasse e ele acordasse.

Despedida3

E o filme começou a ser rodado, no decorrer da história o roteiro foi sendo readaptado de acordo com as adversidades que surgiam pelo caminho. Outro problema decorrente era a escalação para o ator principal, apesar dos testes realizados, tivemos que colocar alguns atores coadjuvantes com a esperança de que a química fosse recíproca para ambas as partes e enfim ele fosse escalado para o posto mais almejado do filme, a estrela da vida dela.

Bem essa é a sinopse da história, no alto de seus 20 e tantos anos, ela ainda está nos primeiros 30 minutos de seu filme, e o ator principal ainda não deu as caras. Talvez tenha surgido assim timidamente ou tão rápido que ela nem se deu conta de que poderia ter sido aquele carinha com quem esbarrou uma ou duas vezes no metrô, ou aquele outro com quem trocou alguns olhares durante uma palestra na semana passada.

Isso sem falar dos coadjuvantes que mexeram com todos os seus sentidos de diferentes formas, por algum tempo ela até cogitou a possibilidade de que talvez fosse ele, até os defeitinhos até pouco tempo despercebidos e irrelevantes se tornarem algo imensamente irritante, dois passos para o fim, dois beijinhos e um até logo, na cabeça a indagação: “Acho que não era ele”.

Tiveram aqueles também que simplesmente desistiram dela. Alguns por motivos óbvios, outros por motivos ainda desconhecidos. Talvez a química não tivesse batido e a fórmula do bolo ficou solada.  Esses renderam algumas dores do cotovelo, alguns até arrisco dizer que a fizeram soltar algumas lágrimas durante as madrugadas, ligações depois da noite de cachaça e sms equivocadas.

Mas a procura não cessa, à medida que o tempo vai passando a exigência vai aumentando, ela desistiu dos caras bonitões e burros, e os inteligentes demais a deixam intimidada. E finalmente ela percebe que não importa quando ou se o ator principal vai chegar o que vale e não deixar o filme parar de rodar e jamais virar expectadora da sua própria história, além do mais pouco importa quem será o ator quando a estrela do filme já é ela.

Image

Mudo de objetivo de vida a cada 5 anos. E não ter endereço fixo ainda tem 3 anos de sobrevivência pela frente.

Entrei em pânico hoje, quando respondi uma sms falando que estava na “casa da minha mãe”.

Olhei em volta e vi uma mochila, uma cômoda arrumada, um porta-retratos sem fotos e um guarda-roupa vazio.

Conheci meu próprio Tyler Durden.

Entrei em colapso. Eu não queria um endereço e percebi que agora tenho dois.

Dividir apartamento só é bom se você ama [ama mesmo] seus roommates ou faz parte dos cenários abaixo.

Imagem

Não me levem a mal, moro com duas mocinhas lindas.

Raquel tem nome daquelas amigas do bar da facul, mas é uma vovó emprestada de 65 anos. Faz café da manhã, arruma minha cama e meus sapatos, acende incenso de cupido pra me arrumar um namorado, mas se preocupa quando eu chego tarde.

Imagem

Débora é gata garota, me apresentou bares e boates que eu não conhecia, lavamos as roupas uma da outra, dividimos o mesmo quarto por mais de um mês, e há 9 dividimos o mesmo teto.

Imagem

O mesmo teto. O MESMO TETO.

Há 9 meses me arrasto com sono pra um apartamento que não é meu, e com pessoas que apesar de queridas, eu não amo.

O que eu encontro por lá? Minha cama desarrumada, “oi gente, tudo bem? Tô indo dormir. Boa noite”, e o latido do floquinho.

Imagem

Que porra de objetivo é esse, Carolina?

Que força de vontade e determinação de merda é essa a sua?

Em que momento você passou a ter mais chaves que chaveiros na bolsa?

Comodismo (bem) barato esse que você foi arrumar.

Vai continuar dando pitizinho na internet ou vai tomar vergonha na cara?

OK. Um pouco dessa angústia vem daquele velho dilema bobo e jovial de não querer criar raízes nem tão cedo.

Coloquei na balança o lado bom e ruim de dividir um teto com conhecidas, e o de pular de hostel em hostel por aí.

A ilusão de privacidade e ambinete familiar do primeiro caso nem chega aos pés de todos os motivos pra escolher o segundo.

O que eu encontro em hostels?

Imagem

Recepcionistas loucos que entram pra família, e vodca ao lado da minha cama.

Imagem

Caipirinha de graça, e dormir com desconhecidos sem fazer ideia de que idioma usar pra dar bom dia.

Imagem

Café da manhã de domingo e amigos com sotaques diferentes todos os dias.

Imagem

Toalhas fofas de sobra, roupas de cama escassas e competir com desconhecidos pra ver quem vai terminar de escovar os dentes por último.

Imagem

E é claro, fechaduras de Hitchcock e conteúdos de Woody Allen.

Ok, mais que isso. Encontro vida nos dias de semana.

É a válvula de escape e a solução improvisada pra quem tem 24 anos, não suporta mais balada, não tem fôlego pra bar em dia útil, chega a trabalhar 12 horas por dia, mas adora ver gente.

Minha escolha é desorganizada. Não tem compromisso. Não tem um lar doce lar. Não tem cheiro de amaciante.

É contraditório visitar a mãe todo final de semana, trabalhar 12 horas por dia e querer uma vida sem rotinas na maior parte do tempo?

É. E daí?

A liberdade é superestimada. Mas não abro mão da minha porção diária.

Imagem

Essa tatuagem é uma pegadinha, mas odeio explicar tatuagem.

Até logo, apartamento 404. Te amo floquinho, mas você não me basta. Ter um CEP por semana me atrai muito mais.

Lembre-se desse post na hora de pagar a próxima conta de luz, Carol.

Home is where your heart is.

E então acabou, dessa vez foi definitivo, ela não esperou nem ao menos ele terminar de falar, foi direta ao ponto, apenas deu as costas e foi embora. Dessa vez, talvez pela 1° vez em todos os anos que passaram juntos não olhou para trás, pelo menos não naquele momento.

Mas ainda assim doeu, doeu muito, ela sentiu o coração ser dilacerado quando fechou a porta do quarto, perdeu o ar e deixou finalmente as lágrimas rolarem por toda a madrugada. E mesmo sentindo-se fraca ignorou as ligações e sms. Tentou parecer forte e dar o mínimo de importância pelo menos aparentemente para tudo o que estava acontecendo.

E ele se foi, talvez tenha cansado de insistir, foi viver uma nova vida, seguir adiante, foi tentar ser feliz. Para ela também não foi diferente, o tempo sempre dá um jeitinho de amenizar as dores, as marcas continuam, mas as feridas se fecham.

E no fim de tudo só ficaram as fotografias estocadas no fundo de caixas repletas de memórias, com algum resquício de vida e uma história equivocada.

Ela ainda lembra com ternura, das viagens sem destino, das sessões de cinema das quais ele dormia nos primeiros 30 minutos de filme, das noites em que ambos ficavam embriagados, das lasanhas congeladas de final de semana, das brigas eternas que duravam 30 minutos, dos finais definitivos que duravam 1 dia.

Mas como todos os ciclos da vida, tudo tem começo meio e fim, e o clichê é real o para sempre, sempre acaba. E não venha me dizer que não deu certo, porque deu sim pelo menos enquanto foi bom a sadio para ambos foi bom, e o fim aconteceu na hora certa, antes que alguém saísse ferido demais, magoado demais, triste demais…

Imagem

cor
Certa vez ouvi alguém dizer que só é possível amar verdadeiramente uma pessoa na vida, na hora não dei muita atenção para o argumento, apesar de ter achado meio exagerado, mas depois, mas precisamente quando fui dormir comecei a questionar levando em consideração minhas próprias experiências… e quer saber, acho de verdade que é possível amar 1 milhão de pessoas diferentes durante a vida (nesse quesito não entra amor fraternal, se é que me entendem), talvez não do mesmo jeito, nem pelos mesmos motivos e muito menos com a mesma intensidade, até porque se tratam de pessoas diferentes, e até hoje não li nenhum texto e nunca ouvi ninguém definir o que é o amor exatamente, como dizem por ai, o amor é um sentimento sublime que não tem explicação rs*. Que seja…

Eu acredito que nada na vida é eterno, se nem mesmo nos humanos, duramos para sempre, porque o amor tem que durar? E porque a gente só pode sentir isso por uma pessoa?…  Imagina se a pessoa que você amou não correspondeu o sentimento, não é justo não amar mais ninguém na vida…

Voltando ao ponto inicial, não estou aqui querendo levantar a bandeira da poligamia ou do conheci ontem e hoje já estou amando enlouquecidamente, isso é maluquice e carência rs*… Na minha concepção o amor vem com o tempo, com a convivência, com o querer estar sempre junto, com o querer bem, independente da briga de ontem, com o beijo que faz o tempo parar, com o sexo com sentimento, com o abraço que acalma todas as angustias, com a parceria, com a cumplicidade, com a amizade e com mais um milhão de coisas que a gente só é capaz de perceber quando está vivenciando esse momento… Isso não significa que vai ser igual pra todo mundo, cada um sente de um jeito, cada um ama de um jeito. Também não é uma necessidade amar vários, se você deu sorte ou azar e achou o seu tal amor verdadeiro na primeira pessoa com quem ficou, então que seja “eterno”… Mas se o relacionamento acabou não significa que não houve amor ou que não deu certo, na verdade deu certo enquanto estiveram juntos, enquanto foi bom. Se terminou, com certeza, pode demorar ou não, você vai amar outra pessoa…

E assim funciona o ciclo na vida, tudo é válido como experiência e aprendizado, e no final o que resta são as lembranças, algumas boas outras nem tanto rs*.  O importante é amar ontem, hoje, amanhã e ser feliz…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: